UM LITRO de leite materno pode alimentar até dez recém-nascidos

O leite materno deve ser o alimento exclusivo do bebê nos primeiros seis meses de vida por atender todas as necessidades nutricionais durante esses primeiros meses, contribuindo para a redução da mortalidade infantil e para a recuperação dos bebês prematuros e de baixo peso internados em UTIs neonatal. De acordo com o Ministério da Saúde, a cada ano, no Brasil, são estimados 330 mil nascimentos de bebês prematuros ou de baixo peso, o que representa 11% das crianças nascidas no país.

O ato de amamentar pode salvar vidas. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostram que cerca de 6 milhões de vidas são salvas por ano com a ampliação das taxas de amamentação até o sexto mês de vida. Segundo o Ministério da Saúde, um litro de leite materno pode alimentar até dez recém-nascidos.

“Por possuir elementos essenciais para a imunidade do recém-nascido e possibilitar um menor uso de antibióticos, o leite materno proporciona um desenvolvimento mais saudável que refletirá por toda vida. No caso dos bebês internados em UTIs neonatal, estes terão mais chances de recuperação”, afirma Heloisa Oliveira, Diretora-Presidente do Instituto Opy de Saúde, entidade filantrópica que foca na promoção da saúde em áreas estratégicas, como o cuidado nos primeiros 1000 dias de vida e na prevenção de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs).

Atualmente o Brasil conta com um total de 225 bancos de leite e 217 pontos de coleta espalhados por todo o país, tornando-o uma referência internacional em doação de leite humano. Apesar de ter uma grande rede instalada, os volumes doados só atendem cerca de 55% de toda a demanda, ou seja, pouco mais da metade da necessidade real.

Heloisa Oliveira reforça os benefícios do leite materno para os recém-nascidos, especialmente os que nascem prematuros e que estão em situação de risco, e chama atenção para o fator socioeconômico que envolve a temática. “O leite humano é a melhor fonte de nutrição para os bebês, além de mais econômico e eficiente. O Instituto Opy reconhece a importância do aleitamento materno exclusivo”, conclui Heloisa.

Fonte: Paloma de Sá Albuquerque paloma.albuquerque@lamcomunicacao.com

Leia mais em: Papai tem papel importante na amamentação

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat
Olá, como a SM pode te ajudar?